quarta-feira , 16 de agosto de 2017
Início / Potencialidade

Potencialidade

Rio Brilhante na elite da produção agrícola

Com o bom momento do campo, cidade cresce e se desenvolve, agregando riquezas

Pequena Cativante aparece como a 32ª cidade brasileira em produção de riquezas no campo; avanço da cana-de-açúcar foi preponderante para a consolidação.

O Estado de Mato Grosso do Sul tem três municípios na elite da produção agrícola brasileira, considerando o valor gerado pela atividade em 2006, segundo aponta a PAM (Pesquisa Agrícola Municipal) divulgada semana passada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Conforme o estudo, Rio Brilhante é o 32º município brasileiro, ficando entre os 50 maiores geradores de valores. De Mato Grosso do Sul ainda aparecem Maracaju em 22º lugar e Dourados em 45º lugar. Se somado o montante gerado pela atividade em todo o Estado, foram R$ 2,6 bilhões, conforme o cálculo da pesquisa, o que equivale a 2,7% dos R$ 98 bilhões que a produção agrícola gerou para o País no ano passado.

Do montante de Mato Grosso do Sul, Rio Brilhante, Maracaju e Dourados, foram responsáveis por R$ 696 milhões, o equivalente a 26% do total. Maracaju cultivou, conforme os dados, 277 mil hectares de cereais, leguminosas e oleaginosas, com renda de R$ 283 milhões. Rio Brilhante vem em seguida, com cultivo de 224 mil hectares e renda de R$ 231,2 milhões e Dourados cultivou 251 mil hectares, teve renda menor que as outras duas, de R$ 181,3 milhões.

Rio Brilhante possui a segunda maior área plantada de cana-de-açucar do país.

Na divisão por culturas, os três municípios citados aparecem entre as 20 maiores rendas com a produção de milho e de soja, as principais variedades que movimentam o campo no Estado. No ranking da produção de soja, onde Mato Grosso do Sul ocupa a quinta colocação no País com 1,9 milhão de hectares plantadas e 4,1 milhões de toneladas colhidas, e um montante gerado de R$ 1,4 bilhão.

CANA-DE-AÇÚCAR

A cultura que tem sido apontada como a vedete do momento no Estado, devido à expansão das usinas de álcool, ainda não colocou Mato Grosso do Sul no topo da produção e renda com a cultura, segundo a pesquisa do IBGE. Mas já merece citação pelo avanço, que é um dos maiores do País.

O levantamento mostra que, em 2006, enquanto a área com outras culturas caiu 24 mil hectares, a fronteira da cana cresceu 21 mil hectares, ou seja, quase na mesma proporção, indicando que ela está, de fato, ocupando o espaço de outras variedades.

Conforme os dados do IBGE, Mato Grosso do Sul cultivou, em 2006, 154 mil hectares de cana-de-açúcar. A produção foi de 12 milhões de toneladas, cujo valor é estimado em R$ 487 milhões, sendo que Rio Brilhante é o maior produtor da cultura atualmente. Destaca-se no emaranhado de informações, a produtividade obtida pelos canaviais do Estado: 78,6 quilos por hectare, um resultado que só perde para São Paulo e Goiás.

Em Rio Brilhante três são as usinas de álcool e açúcar em funcionamento.

Soja, mesmo com o avanço da cana-de-açúcar continua despertando interesses de produtores